quinta-feira, 9 de abril de 2009



SONETO XI
Dante Alighieri

Ne li occhi porta la mia donna Amore,
per che si fa gentil ciò ch'ella mira;
ov'ella passa, ogn'om ver lei si gira,
e cui saluta fa tremar lo core,
sè che, bassando il viso, tutto smore,
e d'ogni suo difetto allor sospira:
fugge dinanzi a lei superbia ed ira.
Aiutatemi, donne, farle onore.
Ogne dolcezza, ogne pensero umile
nasce nel core a chi parlar la sente,
ond'è laudato chi prima la vida.
Quel ch'ella par quando un poco sorride,
non si pò dicer né tenere a mente,
sì è novo miracolo e gentile.

________________________________________________________________

SONETO XI
Dante Alighieri

Tanto amor traz no olhar a minha amada
que quem a vê, de vê-la se enobrece;
todos se voltam quando ela aparece
e àquele a quem saúda ao ser saudada,
treme-lhe o peito, o rosto empalidece,
que sente, suspiroso, a alma culpada
e os ódios e a soberba logo esquece.
Louvai comigo, damas: que a adorada
dama que eu louvo, nossa voz consagre.
Ela traz a doçura que enternece
e louva a quem a viu (que assim se exalta).
Para falar do seu sorriso falta
palavra à idéia, que ela mais parece
milagre novo e bem gentil milagre.

______________________________________________________________________

Um comentário:

Tâmara disse...

Uau...

Tim-tim aos poetas italianos...

Dante é realmente INS PIRANTE...