quinta-feira, 27 de agosto de 2009


O MAPA

Tanto de ti em mim eu guardo e reconheço,
que nos teus olhos eu relembro o meu espelho.

Hoje penso, ante a selva azul deste oceano,
que os acasos também se fazem de desejos,

e embora não saibamos até quando ou onde
bate o relógio ou chega o plano dessa estrada,

eu chego a pressentir que o meu e o teu caminho
são sonhos de um vinhedo para um raro vinho...

Que o campo desta safra seja a nossa casa,
aberta para sempre, e assim iluminada.

WBL

Um comentário:

Acácia disse...

Que delicado. Espero que seu novo livro saia logo! Bjsssssssss