quinta-feira, 20 de agosto de 2009


GEOGRAFIA DA MEMÓRIA


Amo o teu cheiro, o teu jeito,
o beijo do oceano
que derramas em mim.
Amo a palavra
distribuída nas sílabas de tua coluna,
e amo a frase inteira
que o meridiano dos teus quadris circunda.
Amo a ciência dos teus joelhos
e o ângulo agudo dos teus cotovelos;
amo a atmosfera do teu pelo, a lua
no cabelo e a claridade do espelho
em cada uma de tuas unhas.
Amo a estreita circunferência
que a tua cintura enriquece,
e em tuas pernas os caminhos
por onde o teu banho desce.
Amo os teus olhos,
que os meus olhos nunca esquecem,
e os incêndios que a tua língua
ateia em minha pele, despertando cada poro
que se acorda dormente, mas que sente, e sente, e sente...
Amo os teus braços de dulcíssima firmeza
quando os meus braços os cingem,
e eles fingem ser asas
para que me carregues até a mais alta
das encostas, onde outra vez
eu te amo, amando tudo em ti,
o teu gemido,
o teu silêncio,
a tua resposta.

weydson barros leal, in A Quarta Cruz

2 comentários:

Carol Mioni disse...

W, vc tem algum livro publicado?

vc escreve muito bem e eu me apaixonei mesmo pelo blog.

Parabéns! Beijos

Suzana disse...

Querido Poeta.
essa brisa de paixão relata um momento "in love"?
Nossa! Inebriante como sempre.
Saudades, cheiro, Suzana Müller.